Peak District – Cavernas & Bamford

Peak District – História

O Peak District, como já mencionei em outro post, é uma área de grande interesse devido à sua história ligada relativamente à extração de minérios. Quem visita o Peak District rapidamente se apercebe de quanto a paisagem foi moldada pelos milhares de anos de história na extração mineira principalmente de chumbo. Já na Idade do Bronze, entre 2000 e 1500 AC, se extraía o cobre, como é possível sabermos pelas ferramentas feitas de osso encontradas aqui. Nesta altura o Peak District era um dos maiores e mais ricos campos minérios de Inglaterra. A extração mineira de chumbo foi a indústria mais importante do Peak District desde a altura dos romanos até ao século XIX, tendo o pico desta indústria ocorridos nos séculos XVII e XVIII.


Visita as Cavernas

Este tema da extração de minérios e o seu impacto em Peak District é um dos pontos mais comuns de que ouvirão falar quando visitarem as muitas cavernas que existem na zona, e claro cada caverna irá também ter as suas próprias particularidades. O difícil é escolher quais as cavernas a visitar, visto que as de maior relevância são neste momento pontos de turismo e que só podem ser visitadas mediante a presença de um guia. Acabámos por escolher duas – a Peak Cavern para visitar pela manhã e a a Poole’s Cavern durante a tarde.

Entrada para a Peak Cavern

Um conselho é marcarem as visitas pelo menos no dia anterior, especialmente para a Poole’s Cavern. Nós na verdade já eramos para ter feito a visita no dia anterior, mas os bilhetes estavam esgotados. Uma dica para aqueles que gostam de aventuras mais dramáticas e não são claustrofóbicos como eu, é a tour na Speedwell Cavern que consiste em visitar os túneis por onde os mineiros passavam de barco. Isto porque existe um lençol de água na zona de Castleton que liga Speedwell Cavern a Peak Cavern. Os bilhetes são mais caros, cerca de 25 libras. Eu nem foi pelo preço, foi mesmo porque só ver aqueles vídeos 8que estão disponíveis por toda a internet) sobre a viagem de barco fez-me (e faz-me) levantar os pelos do pescoço. Acho que para quem é claustrofóbico a experiência deve ser um bocadinho difícil. Mas, claro deixo a escolha ao vosso dispor.


O nosso dia

Pequeno-almoço no George Inn – o normal full breakfast – eu pedi a versão vegetariana. Não era mau, não era muito bom, era normal, vamos chamar-lhe assim. Eu quis ainda dar uma volta pela igreja que é um dos pontos principais da vila de Tideswell. Não vale a pena dizer que Tideswell é mais uma bonita vila, porque acreditem por onde passarem ficarão maravilhados com a beleza não só da natureza, mas também das pequenas vilas e cidades que fazem parte do Peak District. Não entrámos para visitar a igreja até porque era Domingo e naquela altura estava a decorrer a missa.

Seguimos em direção a Castleton, onde íamos visitar a nossa primeira caverna, a Peak Cavern. Se deixarem o carro no parque pago de Peak Cavern All Day Car Park e forem visitar a Peak Cavern, o próprio ticket tem uma parte destacável que apresentam à entrada da caverna e ser-vos-ão devolvidas 2 libras.


Peak Cavern

No Peak Cavern viveram a certa altura cerca de 60 pessoas que viviam da produção de cordas – a forma como eram produzidas e as ferramentas envolvidas no processo é vos mostrado logo no início da tour. É-vos explicado como as pessoas viviam dentro da caverna e como esse povo tornou a caverna rentável. Já antigamente se faziam visitas guiadas, claro que não em condições como agora, nem sequer pelo mesmo caminho visto que nessa altura o convidado ia dentro de um barco deitado e puxado pelo “guia” pela caverna através do rio que chegava mais ou menos à cintura. Eu não consigo imaginar pior terror, passar dentro de um túnel escuro sem luzes deitado num barco que por vezes ficava encravado. Uma das coisas é certa, nesses tempos não tinha posto os pés dentro da caverna.

Parte do tour que foi preciso passar agachado

No entanto, a tour foi bastante agradável – já agora a tour chama-se The Peak Cavern The Devil´s Arse – e apesar de haver uma parte que tínhamos que passar agachados – vejam a fotografia acima e sim foi por ali que viemos – a tour foi bastante interessante e recomendo imenso. A tour demorou cerca de 1 hora. Podem depois aproveitar para passar por Castleton, pararem para comer ou beber alguma coisa e talvez até subir até às ruínas do Castelo Perevil.


Ladybower Reservoir

Nós visitámos Ladybower Reservoir depois da Peak Cavern porque ainda faltavam várias horas até à nossa visita na caverna de Poole. Mas, aconselho a se puderem organizarem melhor o vosso dia, porque acabámos por perder algum tempo a conduzir. No entanto, independentemente da ordem que o façam aconselho a visitar Ladybower Reservoir – um lago artificial. Ladybower Reservoir foi construída entre 1935 e 1943 para com outros dois reservatórios (Howden e Derwent) ajudar no fornecimento de água. Durante a década de noventa, o muro do reservatório foi reforçado de maneira a reduzir o risco de inundações aquando grandes enchentes. O meio de escoamento de Ladybower é especial visto que é feito por duas estruturas de pedra em forma de boca de sino (ver fotografia abaixo) complementarmente fechadas que quando submersas funcionam como efeito de “ralos”.

Podem fazer o percurso à volta de Ladybower Reservoir – cerca de 9 quilómetros passando também pela barragem de Derwent. Nós não o fizemos porque devido a constrições de tempo preferimos subir até a Bamford Edge, onde se tem uma vista espetacular da zona, do reservatório Ladybower e do vale. Aconselho a virem aqui, a paisagem é lindíssima como podem ver nas fotografias. Esta é uma das zonas mais bonitas do Peak District.


Poole’s Cavern & Buxton Country Park

As tours para visitar a caverna começam a cada 30 minutos e duram cerca de 45 minutos. Eu gostei bastante desta tour, mas para dizer a verdade também gostei de ir a Peak Cavern. Diria que esta é mais imponente. Existem várias galerias algumas muito especiais como a das estalactites e estalagmites com um mistério científico (não vou ser spoiler). Obviamente que várias histórias vos serão contadas sobre como por exemplo a lenda em que Poole seria um dragão que cuspia fogo ou como se fazia naquelas galerias atividades ilegais. É bastante interessante e quem gosta de perceber um pouco como funciona os processos de erosão e como se vai moldando as rochas até ao seu aspeto atual acho que tanto esta como a caverna de Peak são bons exemplos. Também estas tours vos dá uma melhor ideia de como é a vida de um mineiro – de como se vai pouco a pouco desbravando a rocha e se encontram novas galerias. Definitivamente tenho um imenso respeito por quem o faz.

Galeria de estalactites and estalagmites

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s