Bélgica – Bruges

Esta viagem surgiu de uma conversa com uma amiga. Comentámos que ambas gostávamos de ir a esta cidade em Dezembro para visitar o mercado de natal de Bruges. Acabámos por marcar um fim-de-semana prolongado juntamente com os namorados. Eles também gostavam de ir e nos não nos importámos nada. Quantos mais melhor.

_DSC0067
Mercado de Natal em Grote Markt

Depois de decidirmos ir numa sexta-feira de manhã e voltarmos no domingo seguinte a meio da tarde, foi altura de decidir onde dormir e o transporte que nos levaria até Bruges. A minha colega gostava de experimentar o Eurostar (o comboio de alta velocidade) e por isso fiou escolhido este meio de transporte. Como estamos a viver perto de Londres, a nossa viagem constituíra em apanhar o comboio na Estação de St. Pancras em Londres até Bruxelas (viagem de 2 horas) e depois apanhar o comboio até Bruges (cerca de 1 hora de viagem). Este segundo comboio parte de Bruxelas de 20 em 20 minutos e toda a viagem (desde Londres até Bruges) esta incluída no bilhete do Eurostar. Se vierem de Lisboa há voos directos de Lisboa para Bruxelas e no aeroporto apanham o comboio directo que vos leva até Bruges. Por acaso desta vez, os bilhetes do comboio não ficaram muito baratos, mas os dos voos não eram melhores.

Para estadia usámos o airbnb.  Marcámos uma casa que desse para os 4 e que ficasse perto do centro (onde o mercado de natal se encontra). Aliás todos os pontos turísticos onde fomos ficam perto uns dos outros, sendo a distância perfeitamente fazível a pé. Para a acomodação também nos deparámos com preços mais altos do que o esperado, mas penso que o facto de o mercado de natal estar montado e mais tarde descobrirmos que neste fim-de-semana se realizava a corrida de natal em Bruges, fizesse com que os os preços estivessem acima do normal.

Depois de tudo organizado lá chegou o dia da partida. Tudo correu como previsto, encontrámos-nos com o namorado da minha colega já na estação de comboios de Bruges  (ele vinha de Lisboa) e para chegarmos a tal casa onde ficaríamos, precisávamos de apanhar a camioneta. Isto porque a pé ainda eram 20 minutos e estava a chover (como aconteceu a maior parte do tempo que aqui estivemos). As paragens das camionetas ficam mesmo à frente da estação de comboios, o que e óptimo. Agora um conselho, perguntem à mulher/homem do guichet quando comprarem os bilhetes da camioneta quais as que devem apanhar ou então sigam as informações vos dadas (se assim for) pelo airbnb/hotel onde ficam. Nós não fizemos nada disso e seguimos-nos pelo google maps. Foi mesmo por causa do google maps que acabámos 1 hora e meia a passear de camioneta por Bruges.

Eu passo a explicar. Segundo o google maps podíamos apanhar a camioneta número 12 (acho ser este um dos números que dizia) que passaria perto da nossa casa, mas pelos vistos as camionetas de Bruges não fazem sempre o mesmo trajecto e mudam de número de camioneta a meio do percurso. Sim, nos também achamos estranho. Mas a verdade é que a meio do caminho já não estávamos na camioneta número 12 mas noutro completamente diferente, o que significa que o percurso que a camioneta agora faria também seria diferente. No início  ainda começámos a ir na direcção certa, passámos na praça principal que era como o esperado, mas a partir daí a camioneta mudou de direcção e foi pelo sentido contrário ao que queríamos ou que era suposto. Ainda perguntámos ao condutor mas ele não percebia muito de inglês e nós não o percebíamos a ele. Chegou uma altura em que simplesmente desistimos, saímos na paragem seguinte e fomos a pé. Com isto, perdemos 1 hora e meia do dia, mas podemos dizer que visitámos a cidade. E quando digo visitámos a cidade, significa que passámos em todo o lado até os lugares menos turísticos. Vejam lá que até passámos no hospital de Bruges. Para não vos acontecer o mesmo aconselho-vos a terem cuidado neste aspecto porque na verdade todo este episódio só nos  fez perder tempo (e nós até que nem tínhamos muito).

_DSC0090
Bruges – Rua Rozenhoedkaai

Claro que na altura em que decidimos sair da camioneta havia quem já estivesse a ficar um bocadinho para o aborrecido. O meu problema no entanto era fome, mas como ia mesmo no espírito de férias não me quis chatear com isto. Seguimos então o caminho que nos levaria até à casa. Outro aviso: quando marcam com o airbnb existe a opção de verem a localização da casa directamente no mapa mas aconselho-vos de em vez disso colocarem mesmo a morada que vos é dada, porque a localização do mapa é apenas aproximada e não a exacta. Isso também nos aconteceu. Sim, o inicio da nossa viagem em Bruges estava a ser espectacular.

Agora um bocadinho sobre a casa que nos calhou.  O rés-de-chão é usado pela dona da casa que foi transformado numa farmácia/clínica veterinária. Os dois pisos de cima são os alugados. De fora é uma casa típica daquela região com o seu telhado em bico. Por dentro, suponho que não seja muito diferente das outras casas que a rodeavam, mas a escadas eram vá assim um bocadinho para o inclinadas, se calhar para quem tem problemas de mobilidade deve ter isto em consideração.

20181207_212253
O nosso quarto

Até nós tínhamos extra cuidado a subir e a descer. A cozinha e uma das casas de banho ficavam no primeiro piso, os quartos e a segunda casa de banha no segundo. Um dos quartos (o que calhou a mim e ao meu namorado) era o quarto “secundário”.Este espaço deve ter sido adaptado para ser alugado. Era bastante espaçoso e talvez por isso tenham incluído um lava-loucas e chuveiro , o que podem pensar ser estranho mas que deu bastante jeito.

 

Assim depois de instalados la saímos a descoberta de Bruges (e já agora de comida).

 

Para verem a nossa viagem cliquem nos seguintes links

Bruges- 1º Dia

Bruges – 2º Dia – Manhã

Bruges – 2º Dia – Tarde

Bruges – 3º Dia