Peak District

“Sim chama-se Peak District. Não, não é no Lake District. Fica perto de Sheffield. É no centro do país.” – Esta foi a mais frequente ordem de respostas a todos aqueles que souberem que ia de férias para o Peak District. Não tão famoso em Inglaterra como o Lake District, mas igualmente belo. O Peak District é um enorme parque nacional entre Manchester e Sheffield. É uma zona onde a extração mineira foi muito prominente e por isso hoje existem várias cavernas que podem ser visitadas. Peak District é um local ótimo para fazer caminhadas e andar de bicicleta nos muitos trilhos que ali existem. O difícil é mesmo a escolha. Por isto mesmo, aconselho a levarem roupa confortável, sapatos confortáveis para fazer grandes distâncias e terem sempre com vocês água e mantimentos.

Vista da estrada para a caverna do Thor

Um outro conselho para verem os trilhos possíveis da zona e terem uma ideia da dificuldade e distância de cada trilho é este site: https://www.alltrails.com/. Infelizmente para fazerem o download dos mapas é preciso pagar, mas mesmo assim se tiverem aberto o trilho no google conseguem se orientar.
Nós começámos o nosso percurso pelo Sul em Matlock, depois para este para Dovedale. Em seguida fomos para norte passando por Bakewell, Buxton e Bamford. Mas neste e nos próximos post vou dar mais detalhes sobre o que fizemos, o que visitámos e os sítios onde ficámos.


1º dia – Matlock, Heights of Abraham and Thor’s Cave

A nossa viagem começou em Matlock. Marcámos através do booking.com a estadia de uma noite em Elen House Bed and Breakfast. Nós escolhemos sempre sítios que incluíssem tanto estacionamento como pequeno-almoço. O quarto era de tamanho razoável, com uma decoração agradável, numa localização sem barulho e perto do centro da cidade de Matlock. Tenho a salientar a simpatia de quem nos recebeu e o melhor pequeno-almoço de sempre. Eu escolhi eggs benedict e o meu marido ovos mexidos com salmão fumado. A apresentação dos pratos mostra um cuidado superior ao que normalmente se vê nos alojamentos do tipo para não falar do sabor que era de comer e chorar por mais.

Matlock foi a nossa primeira apresentação ao Peak District, como uma bonita e pitoresca cidade. Na noite da nossa chegada acabámos por comprar kebabs numa take-away para podermos andar pela cidade, passando pelo parque Hall Leys até ao pub The Red Lion. Acabámos a noite a experimentar as várias cervejas de Matlock.

Para o nosso primeiro dia e estando em Matlock não podíamos perder visitar Heights of Abraham. Viemos bastante cedo o que foi uma sorte, porque sem bilhetes pré-adquiridos se tivéssemos vindo mais tarde já não tínhamos conseguido entrar. Os Heights of Abraham começa pelo teleférico que nos levou até ao topo da montanha Hilltop. Depois de sairmos do teleférico, podemos aproveitar para experimentar o café, passear pela montanha e visitar a cave. A visita à cave é feita acompanhada por um guia e demora cerca de meia hora.

O bilhete para os Heights of Abraham incluem viagem (ida e volta) de teleférico, entrada para a cave e claro passear pela Hilltop. Existem vários pontos importantes que estarão indicados num mapa que vos darão no momento da compra dos bilhetes.


Seguindo a nossa viagem para este, depois de visitar os Heights of Abraham, fomos para Dovedale. Dovedale fica no meio de um vale e atrai muitos turistas pela sua beleza natural. A parte mais famosa de Dovedale são os chamados “Stepping Stones”, pedras no meio do riacho alinhadas de forma a pudermos passar de uma margem para a outra. Aqui têm duas opções de trilhos, subir a montanha ou então dar à volta à base do vale. Nós seguimos a segunda opção até às grutas Dove Holes.

Vale
Trilho em Dovadale
Paisagem de uma das grutas de Dove Holes

O parque de estacionamento é pago e atenção que o pagamento é feito a dinheiro. Também se encontram ali casas de banho (são pagas) e uma barraquinha que vende snacks e sandes.


A próxima e última paragem para este dia foi a caverna de Thor. De onde estacionámos o carro até à caverna foram cerca de 15-20 minutos a andar. Aviso que há muitas escadas a subir, mas nada que não se consiga fazer facilmente e com paragens a meio se assim for necessário. Esta caverna é completamente natural e da sua entrada têm uma vista magnífica sobre o vale Manifold. A caverna não é comprida e é preciso ter algum cuidado para entrar visto que as rochas são um tanto escorregadias.

De dentro da caverna do Thor

Um pouco da história da caverna do Thor
A caverna do Thor foi formada durante milhões de anos devido ao efeito do vento e da água. As rochas envolventes são calcárias, formadas por camadas de animais marinhos mortos. Há 280-360 milhões de anos atrás o local onde a caverna de Thor se encontra, ficava a sul do equador e estava submerso por um mar raso de água quentes. A encosta teria sido um recife, semelhante aos que se encontram em mares tropicais. Muitas das cavernas nesta área foram usadas por humanos e animais como abrigo. Ossos de veados e ursos gigantes foram encontrados na área. A área em redor da caverna de Thor é um lugar especial para plantas e animais. Borboletas raras como como a Nothern Brown Argus e a Dark Green Fritillaries podem ser encontradas nesta zona.


Para a nossa segunda noite, a acomodação escolhida foi a Hen Cloud Cottage. Sobre esta acomodação falarei no próximo post relativo ao segundo dia no Peak District.


Para jantar, encontrámos este restaurante italiano na cidade-vila de Leek – o Alberto’s Kitchen. As pizzas eram saborosas, feitos no forno a carvão. Também o gelado que é feito pelos donos do restaurante nos deixou boas memórias deste restaurante.

Pizzas do Alberto’s Kitchen

Post seguintes

Peak District – Bakewell, Chatsworth House and Monsal Trail

Peak District – Monsal Trail (trilho alternativo) & Mam Tor Trail

Peak District – Cavernas & Bamford

Peak District – Padley Gorge Walk, Surprise View and Stanage Edge