Casas senhoriais e os seus jardins

Para aqueles dias de bom tempo que convidam a passeios vagarosos existe uma opção muito adequada em Inglaterra. Duques, barões, condessas, princesas e reis deixaram para as gerações futuras as suas casas senhoriais. Muitas delas hoje em dia pertencem a English Heritage uma organização focada na conservação do património cultural em Inglaterra. Locais e artefactos históricos e a sua preservação são os maiores objetivos da English Heritage. Casas senhoriais e os seus jardins que são obviamente parte do património cultural do país são organizados, mantidos e conservados por esta organização.  Um dos exemplos é a propriedade de Wrest Park.

Vista para os jardins da casa de Wrest Park

Wrest Park

Os “de Greys” eram uma das principais famílias nobres de Inglaterra. Wrest Park era a sua casa.

A casa de Wrest Park

A família teve grande destaque em 1463 quando o rei Edward IV proclamou Edmund Grey seu tesoureiro e mais tarde, em 1465, conde de Kent. Foi durante o século XVIII que os jardins tomaram a sua forma, a sua estrutura e características resultantes do trabalho de arquitetos e designers tais como Nicholas Hawksmoor, Thomas Archer, Batty Langley e William Kent. As várias gerações da família de Greys foram adicionando mais e mais pormenores aos jardins da propriedade que ainda hoje estão presentes.

Entrada para o edifício do laranjal

Em relação à atual mansão esta não é a original. Entre 1834 e 1839 depois de demolida a antiga casa, foi construída a mansão de arquitetura francesa característica do século XVIII, tendo exemplos de tal inspiração tanto no seu interior ou como no exterior. Também os jardins nesta altura foram renovados para complementar a arquitetura da recente mansão.
No entanto, desde 1900, a propriedade de Wrest enfrentou uma série de desafios. A propriedade foi alugada ao embaixador americano, depois transformada em casa de convalescença e até em hospital militar na Primeira Guerra Mundial. Em 1916 um incêndio alastrou-se rapidamente levando ao evacuamento das tropas presentes. No entanto, o hospital nunca reabriu. Quando a propriedade foi vendida em 1917 entrou rapidamente em declínio.

Atualmente esta propriedade pertence à organização Engligh Heritage que tem em mãos um projeto de 20 anos com intuito de restaurar os jardins de Wrest Park como eram antes de 1917.
Hoje em dia, o piso inferior da mansão pode ser visitado, incluindo a sua grandiosa biblioteca e a bonita escadaria com os quadros de família.Os jardins são ótimos para passear e aproveitar o sol. Existem vários pontos de paragem pelos jardins e no final podem descansar na esplanada. Eu diria que 2 horas é o tempo ideal para conhecer com tempo os jardins e a mansão.

Para saberem mais sobre preços, horários e mais visitem o website em baixo.

Website: https://www.english-heritage.org.uk/visit/places/wrest-park/


Visitámos Chatsworth durante a nossa viagem ao Peak District. Para verem mais sobre esta viagem cliquem aqui. Esta não é propriedade da English Heritage, mas faz sim parte das Treasure Houses of England (as casas do tesouro de Inglaterra). Incluídas nesta categoria encontra-se o castelo de Leeds, Hatfield House, Woburn Abbey e Chatsworth. Como tal estes locais se destacam pela maravilhosa arquitetura, riqueza e cuidado ao mínimo detalhe.

Entrada para os jardins de Chatsworth

Chatsworth

Chatsworth, herança da família Cavendish há 16 gerações, é atualmente propriedade do duque e da duquesa de Devonshire. Apesar de manter a riqueza e qualidade na sua arte, a propriedade evoluiu de acordo com os gostos e interesses de cada geração. Em Chatsworth encontram-se obras de arte com mais de 4000 anos, desde esculturas a obras-primas de Rembrandt e Veronese. A mansão tem mais de 25 salas que estão abertas ao público onde se podem admirar as mais bonitas e valiosas peças de arte.

Estátua nos jardins em frente da casa de Chatsworth

Os jardins são incríveis, com mais de 105 acres e o reflexo de uma dedicação cuidadosa que perdura há mais de 500 anos. Apesar de também os jardins terem mudado com as gerações, foram mantidas as suas características inicias.

Nestes jardins existem secções diferentes, com arquitetura e fauna biológica diferente em cada um deles, e por isso mesmo o ambiente muda em cada canto. Para visitar estes jardins e a mansão com o devido tempo eu diria que 3 a 4 horas é o ideal. Mas, se tiverem a possibilidade de passarem mais tempo a explorar Chatsworth, terão certamente um dia muito agradável.

Website: https://www.chatsworth.org/